Como promover a cooperação nas organizações

09/11/2015

Categoria: Desenvolvimento, Destaque

Nas minhas visitas em empresas de diferentes áreas do mercado, percebo que em geral, a falta de comunicação continua liderando a lista dos problemas mais enfrentados.

Interessante que quando chegamos aos níveis mais elevados da liderança um tema bem citado é o da cooperação. Líderes voltados apenas para os interesses da sua área, quando não pensam apenas em interesses próprios dentro da organização.

Como consequência, vemos o todo, ou seja, a visão e a missão da empresa ficando distantes do dia a dia das pessoas, além da ocorrência de conflitos e uma série e outros problemas como centralização e deficiência no desenvolvimento de pessoas e equipes.

Para abordar cooperação neste artigo, resolvi escrevê-lo com embasamento científico, pelo ponto de vista da biologia, para falar sobre cooperação x relações humanas.

O biólogo e etólogo Richard Dawkins escreveu na década de 70 um livro chamado “O gene egoísta” que tem como propósito examinar a biologia do egoísmo e do altruísmo. Até hoje é um livro muito citado e utilizado no meio acadêmico.

Dawkins parte da teoria de que “nós e todos os outros animais, somos máquinas criadas por nossos genes”. Os genes buscam sobrevivência há milhares de anos em um mundo cada vez mais competitivo e isso determina que a principal característica de um gene bem sucedido é o egoísmo implacável e “este egoísmo originará egoísmo no comportamento individual”.

O gene, para atingir seus objetivos individuais, em algumas circunstâncias, especiais e limitadas, cultivará o altruísmo e a cooperação. Portanto o nosso comportamento está ligado tanto com o egoísmo como com a cooperação.

Para que ocorra a cooperação é necessário que alguns mecanismos estejam presentes, do contrário o egoísmo prevalecerá.

De acordo com o professor de biologia e matemática da universidade Harvard, Martin A. Nowak que estuda cooperação desde 1987, em seu artigo na revista Mente Cérebro do grupo Scientific American, descreve os cinco mecanismos para a evolução da cooperação. São elas:

  • Lei da reciprocidade: eu te ajudo hoje e quando eu precisar, você me ajuda.
  • Seleção espacial: cooperação entre membros de uma mesma rede social.
  • Seleção por parentesco: cooperação entre os que partilham do mesmo gene que eu.
  • Reciprocidade indireta: cooperação com base na reputação individual.
  • Seleção de grupo: cooperação em prol de um bem maior. Exemplo típico das empresas nas quais os indivíduos competem entre si ao mesmo tempo em que precisam cooperar uns com os outros para que a empresa se mantenha competitiva.

Entre as espécies de animais, o ser humano, por dominar a linguagem, é o mais cooperativo de todos. De acordo com a teoria de Nowak o principal mecanismo de cooperação utilizado por nós é o da reciprocidade indireta, ou seja, o mecanismo da reputação individual.

OrganizaçãoUma pesquisadora de Harvard, Rebecca Henderson, especialista em estratégia competitiva no mundo dos negócios, observa que empresas que estão em vantagem competitiva perante seus concorrentes, são aquelas que possuem melhor reputação perante seus fornecedores em termos de justiça e sustentabilidade.

Então, a pergunta central deste artigo é: Como canalizar, dentro do sistema organizacional, os interesses individuais a favor da visão e missão das empresas?

Desenvolvimento é a resposta. Para isso, várias ferramentas estão disponíveis no mercado, tais como: Coaching, PNL, Eneagrama, Sistêmica Organizacional e muitas outras.

Atualmente não há mais desculpas para as empresas não investirem em desenvolvimento. Na verdade, não há outra opção. Apenas uma liderança em desenvolvimento é capaz de criar equipes com pessoas cujos potenciais são explorados ao máximo para tornarem-se competitivas.

Convido você a refletir e então fazer, por ordem de prioridade, uma lista dos seus objetivos individuais dentro da organização.